quinta-feira, 17 de abril de 2014

Uma análise possível (?) para a Vaca Profana de Caetano Veloso



Gal Costa e Caetano Veloso nos anos 1960
Desde que ouvi pela primeira vez a canção de Caetano Veloso Vaca Profana, digo, desde então, que é esta uma das músicas mais sensacionais que já ouvi na vida. É sensacional a bateria, a guitarra, o baixo, o piano! É sensacional a voz de Gal Costa nessa melodia pop-rock-mpb! E a letra-poema enigmática!

Me divirto, muito e deveras, quando alguém está com um violão e eu lhe peço, com certa insistência: Toca Vaca Profana, e o violeiro me olha com cara de: O que é isso, pelamordedeus?! 

Uma vez me perguntaram: Você que inventou isso?! Respondi: Quem me dera! Resposta essa que me autoriza a dizer, aqui e agora, que seria eu poeta de um poema só, mas feliz e genial, se fosse minha apenas e tão somente esta composição.


Capa do LP Profana de Gal Costa, 1984
O fato é que, está óbvio, não é. E Caetano Veloso escreveu um livro, de dois volumes, Letra Só (Cia das Letras: 2003), no qual lista letra por letra de suas canções num volume e, no outro, de algumas delas, ele vai dando pareceres, explicações, justificativas, etc, sobre como, por que, quando e para quê ou quem ele escreveu esta e ou aquela música. 

Confesso, ok, confesso que minha curiosidade maior com este livro era a Vaca Profana. E, lacrado ainda na livraria, não folheei a obra, mas, em casa, direto eu fui ao V de Vaca, Vaca Profana e, para minha surpresa, estava escrito nada além de: 

“Estava na Europa e, atendendo a um pedido de Gal, fiz essa canção de refrões mutantes que são difíceis de memorizar. Na verdade é também uma canção sobre Gal. Ou melhor: procura dialogar com a persona pública de Gal. Tem muitas sacações bacanas.” (VELOSO:2003). 

E nada além disso. Tudo bem, ele não é obrigado a revelar o que escreve e no que pensa ao escrever. Nem deve, porque o legal, o gostoso da Literatura é o leitor tirar suas conclusões. É o leitor entender as sacações bacanas. Porém, o livro vale muito pelas explicações de outros letras-poemas como, por exemplo, Araçá Azul, Trilhos Urbanos, O Quereres e, claro, apesar de tudo, Vaca Profana.

Tais sacações bacanas, algumas foram elucidadas, em 1984, no LP, Profana de Gal Costa, em seu encarte, no qual estão esclarecimentos como estes (ipsis literis):

_ (Napoli) PINO = Pino Daniele, cantor napolitano
_ “Soul” – rithm’n’blues
_ PI = Pi (pinho ou pinheiro em catalão, como “Pino” em italiano), Pi de lo Serra, cantor catalão, “Nova Canção”
_ PAU = Pau Riba, cantor catalão, único roqueiro da “Nova Canção”. Pau é Paulo em catalão
_ PUNKS/PICASSOS = os punks das ruas de Londres parecem quadros de Picasso 
_ “PURETAS” = “caretas”, nova gíria espanhola
_ “MOVIDA MADRILEÑA” = nova onda “new wave” de Madrid, que tem como lema (e nome de uma revista) “Madrid me mata”, daí “também te mata Barcelona”
_ GAUDI = arquiteto catalão, genial louco
_ “RAMBLAS” = passeio (e também calçada) em catalão, lugar de Barcelona onde toda gente vai beber e passear. Do verbo “rambar” = flanar, perambular
_ ORCHATA DE CHUFA = bebida feita com noz, toma-se na Catalunha
_ SI US PLAU = (quase só se diz “si’s plau”) = “por favor” em catalão


Foto de contracapa do LP Profana de Gal Costa, 1984
Então, desde a primeira vez em que a ouvi, lendo aqui, sondando ali, pensando acolá, ouvindo mais e sempre, aqui, ali e acolá a canção, conversando com quem a conhece, estudando símbolos, ícones e índices desse poema-enigma, cheguei a algumas conclusões, tão somente pessoais, que me levam a interpretá-la, entendê-la e processá-la assim (ou não!). Vejamos. Diz o eu lírico:

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Inscrevo, assim, minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada

O poema começa com o eu lírico afirmando no presente do indicativo que respeita suas lágrimas, mas ainda mais sua risada. Ou seja, infere-se que ele sofre e chora sim de vez em quando, mas que, apesar disso, respeita ainda mais sua risada, o que nos prova o fato de que, apesar de às vezes sofrer, sua felicidade é ainda mais importante (como de fato deve ou tem que ser).

Nessa primeira estrofe, ao dizer, também no presente do indicativo, que inscreve na voz de uma mulher sagrada o dito de respeitar as lágrimas e ainda mais a risada, o eu lírico faz aqui uma argumentação de autoridade, já que ele transfere a uma mulher, diga-se, uma mulher sagrada, a autoria dos versos que deveriam, assim, abrir a canção entre aspas!

Em seguida, e logo em seguida, ao se referir à mulher, que é sagrada, ele entra com outro enigma: a vaca profana! Mulher Sagrada e Vaca Profana. Pra mim, não seria meramente casual o fato de os elementos Mulher Sagrada e Vaca Profana estarem justapostos, cara a cara, lado a lado, verso a verso, um ao lado do outro.

Para mim, e falo tão somente por mim, esta mulher sagrada é a vaca profana, num raciocínio que resulta de um processo silogístico. Assim:

_A mulher é sagrada porque exprime, do ponto de vista do eu lírico, palavras fortes.
_A mulher é a vaca porque ambos elementos estão dispostos lado a lado, em sentido de complementação entre eles.
_Vaca e mulher são seres comuns, mundanos.
_A vaca, na cultura indiana e em outras culturas do oriente, porém, é uma deusa, portanto sagrada.
_A mulher é um ser comum, mundano, mas fala coisas importantes, tornando-se sagrada, para o eu lírico.
_A vaca é um ser comum, mundano, animal, mas torna-se especialmente sagrada para alguns.
_Então, para o eu lírico, a mulher é sagrada e a vaca é profana.

E, além disso, a vaca que é a mulher, e que é sagrada, põe seus cornos pra fora e acima da manada. Ou seja, a mulher, animalizada, mas sagrada e importante, é responsável por se mostrar afora e acima da manada, com seus cornos, porque tem algo de diferente, algo de especial, saindo a frente e, provavelmente, comandando toda a manada. 

A simbologia da vaca, da manada e dos cornos, de acordo com o Dicionário de Símbolos (CHEVALIER:2012), nos revela de maneira bem interessante, bem peculiar o que se segue:

_VACA:
De um modo geral, a vaca, produtora de leite, é o símbolo da terra nutriz. Entre os egípcios antigos, a vaca é a fertilidade, a riqueza, a renovação, a mãe, a mãe celeste do sol; era a nutriz do soberano do Egito. É a essência da renovação e da esperança na sobrevivência. É associada à abundância entre os sumérios, para quem a lua era decorada com dois chifres de vaca. 

_MANADA:
Entre os sumérios, enquanto a vaca é representada pela lua (com chifres), a via láctea o é pela manada. O que se pode associar ao celestial e, assim, ao divino.

_CORNOS ou chifres: 
O chifre tem o sentido de eminência e de elevação. Seu simbolismo é o do poder. Os guerreiros de diversos países, principalmente os gauleses, usavam capacetes com chifres. O poder dos cornos, aliás, não é apenas de ordem temporal. Os chifres dos bovinos são o emblema da Magna Mater Divina (a grande mãe divina). Onde quer que eles apareçam, assinalam a presença da grande mãe da fertilidade, evocando os prestígios da força vital, da criação periódica, da vida inesgotável, da fecundidade. Vieram, em consequência, a simbolizar a majestade e os benefícios do poder real.


Via Láctea - Internet
Assim, associando tais símbolos numa possível leitura representativa ou numa possível imagem metafórica (talvez bem pessoal), percebe-se que a vaca, portanto, era e ainda é, para alguns, divina e elevada. O que ela dá ou produz, o leite, é símbolo de sua fertilidade e, assim, também de sua divindade. Seus cornos, como símbolo de elevação e superioridade, a vaca os colocando para fora e acima da manada, eleva-os ainda mais, eleva e engrandece ainda mais sua divindade, sua realeza (temporal e celestial) e sua sacralidade, por ser divina e representar tais elementos. E ainda estão pra fora e acima da manada. Acima.

Se a vaca vem associada à ideia da renovação, e a nossa vaca profana põe seus cornos pra fora e acima da manada, e se a manada é a via láctea, nesse contexto celestial e divino, de superação e de superioridade, a vaca então comanda a manada a partir da elevação de seus chifres, como referência e reverência, conduzindo e incentivando a manada a segui-la com confiança e certeza no caminho. Assim como as mães, em seu instinto materno fazem (ou seja, comandam), a vaca, que é a grande mãe divina (Magna Mater Divina), também o faz.



Caetano e seus cornos pra fora e acima da manada! Internet

Continua, genial, a canção:

Ê!
Dona das divinas tetas
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas
Segue a "movida Madrileña” 
Também te mata Barcelona
Napoli Pino, Pi, Pau Punks
Picassos movem-se por Londres
Bahia onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte

O que temos na estrofe acima é um exemplo forte de cubismo, por conta dessas sobreposições de imagens. Aqui, buscando as elucidações do encarte do LP Profana, de Gal, percebemos a Movida Madrileña, que deve ser seguida pelo interlocutor, o que se nota pelo imperativo – segue (tu) –, é um estilo musical novo, àquela altura, 1984. A Movida Madrileña, que tem por lema Madrid Me Mata, insinua que Barcelona também deve matar. Matar de quê? Matar por quê? Como se tratava de algo novo, deve ser ou pode matar pela novidade que se trazia e começava naquela hora. Esse tal novo estilo musical talvez seja o leite bom que se derrama na cara do eu lírico.

Em seguida, a sobreposição de Napoli e Pino que é Pino Daniele, cantor napolitano; de Pi em catalão (que corresponde a Pino em italiano) e Pi, como se vê no encarte de Profana, é Pi de lo Serra, cantor catalão da Nova Canção, o tal estilo novo; de Pau, que é Pau Riba, que também é cantor da Nova Canção; e de Punks e Picassos é o exercício do cubismo, como ele mesmo, o autor, Caetano, associou em sua explicação anterior. 

Sobrepor imagens é tentar recriar e refazer seus sentidos, aparentemente desconexos, numa imagem única e talvez caótica, num evidente jogo e numa evidente brincadeira com as palavras.

O poeta, que é baiano, termina a estrofe, dando voz ao eu lírico, cantando Bahia onipresentemente Rio e belíssimo horizonte. Da maneira como ele canta o verso, no meu entendimento, quem é onipresente é a Bahia. Então, a onipresença de sua cidade é algo como se todos os símbolos sobrepostos, antes e acima, tudo isso, já fosse, de alguma forma, contemplado pela Bahia, sua terra. Por isso, nada lhe seria novidade. Como se sua terra já tivesse inventado um estilo novo, que devesse ser seguido e que matava (a alguns de raiva, porque era bom e novo. Matava porque devia ser seguido e matava porque, também e de certa forma, era proibido – o Tropicalismo?!), daí sua onipresença. 

Belíssimo horizonte, está claro, é referência à capital mineira, que, associada ao Rio, completariam a lista de lugares em que o eu lírico viu tudo o que viu primeiro na onipresente Bahia. E este horizonte que lhe mostra tudo isso é belo, como ele diz ao usar o belíssimo de maneira ambígua!

E, em tempo, se a vaca é simbolicamente divina, por metonímia – o todo pela parte –, suas tetas também o são, porque dão o alimento, a fertilidade e a fecundidade.

A canção continua, ainda mais incrível:


Capa do LP Totalmente Demais de Caetano Veloso, 1986


Ê! 

Vaca de divinas tetas

La leche buena toda en mi garganta

La mala leche para los "puretas"

Quero que pinte um amor Bethânia

Stevie Wonder, andaluz 

Como o que tive em Tel Aviv 

Perto do mar, longe da cruz 

Mas em composição cubista 

Meu mundo Thelonius Monk`s blues
A estrofe acima é cantada em espanhol nos três primeiros versos (excluindo-se a interjeição Ê!). Tal fato é o jogo, a brincadeira feita pelo poeta de, quando possível, falar de Barcelona, Cataluña, Andalucia, e de elementos espanhóis como, por exemplo, a Movida Madrileña ou o cubismo e Picasso, já que ele se encontrava na Europa, provavelmente na Espanha. É uma relação semântica perfeita, mas interrompida por ícones como Stevie Wonder e Bethânia – americano e brasileira, além de irmã do poeta, e ainda Tel Aviv.

Um amor Bethânia, ele diz. Eu, primeiro lia esse verso como se houvesse uma elipse de para: Um amor para Bethânia. Mas hoje, não desprezando tal leitura, também leio Bethânia nesse verso como um adjetivo. Um amor Bethânia, do tipo, à moda Bethânia, de acordo com a personalidade de Bethânia. Sabemos que, de fato, Maria Bethânia é intensa. Intensa em suas interpretações operísticas, em seus pensamentos e na defesa deles, em seus sentimentos, mesmo que discretos, mas intensa! Um amor intenso como Bethânia. Ou um amor intenso como os de Bethânia.

Stevie Wonder é cego. O termo andaluz, justaposto ao nome do cantor, vindo este verso depois de o eu lírico se referir ao amor Bethânia, suponho que o amor de Stevie Wonder pode ser pela luz, porque ela lhe falta, e por isso seja também um amor intenso. Ou, talvez, o amor seja cego. Mas há aqui mais e muitas simbologias. Sim, há.

E tal amor intenso, que deve pintar de acordo com o querer do eu lírico, é um novo e outro, mas parecido ou igual ao que ele já teve em Tel Aviv, num lugar perto do mar, que é imenso e, por isso, (o mar ou lugar) engole, traga e consome, e também longe da cruz, ou seja, sem culpa, sem pecado, sem dor, já que estava longe da cruz - um símbolo por excelência religioso.

Então, para terminar a estrofe, ele volta às composições cubistas, sobrepondo elementos, e, a meu ver, quando esse tal amor novo surgir, sem pecado e sem culpa, ele deve vir ao som do blues de Thelonius Monk, para, mais uma vez, conectar e dar sentido a uma costura de elementos aparentemente desconexos!

Observo que em Eu Sou Neguinha? e em O Estrangeiro, Caetano já havia se referido à cruz (trocando Luz por Cruz no fim do túnel) e a Stevie Wonder respectivamente. Observo também que existe uma ligação, inclusive verbalizada e cantada por ela mesma, entre o mar e Maria Bethânia.

Thelonius Monk - Internet
Completa-se, sensacional, a canção assim:

Ê!
Vaca das divinas tetas
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas
Sou tímido e espalhafatoso
Torre traçada por Gaudi
São Paulo é como o mundo todo
No mundo, um grande amor perdi
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas, estamos aí!

Nessa estrofe o eu lírico se apresenta: é, a um tempo, tímido e espalhafatoso, como uma torre traçada por Gaudi, quem, como se sabe, é catalão (o que se associa ao idioma e a cultura espanhóis). O traçado de Gaudi pode ser associado aos traços citados em sua personalidade, espalhafatoso e tímido, de maneira também característica.


Gal Costa, anos 1970 - Internet
São Paulo, assim como Paris e Nova Iorque, é uma grande cidade do mundo. Tão grandes que podem ser associadas ao próprio mundo. Tudo e muita coisa acontece nessas grandes cidades. Aqui, tendo por interlocutores os caretas de Paris e de Nova Iorque, o eu lírico diz que sem mágoas, está tudo bem. Infere-se, assim, que em algum momento, para ele, Nova Iorque e Paris, por serem vistas como são, foram cidades imaginadas ou idealizadas por ele como sem a existência de caretas, cidades modernas e tal, mas quando, ao conhecê-las, percebeu que também elas têm caretas, como em qualquer lugar do mundo e, embora as aceite e as entenda, já não guarda mais mágoas disso. 

Nessa estrofe, também, volta ao tema do amor, dessa vez perdido em São Paulo, mas pelo qual segue em sua busca. Como se diz sem mágoas para os caretas de Paris e de Nova Iorque, também talvez esteja sem mágoa contra os de São Paulo e sem mágoas contra o amor perdido, daí a ideia de se seguir em nova busca.

E segue, irônica, a poesia:

Ê!
Dona das divinas tetas
Quero teu leite todo em minha alma
Nada de leite mau para os caretas
Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes, segue em linha reta
A vida, que é "meu bem, meu mal” 
No mais, as "ramblas" do planeta
“Orchata de chufa, si us plau”

Na estrofe anterior o eu lírico se apresentou; nessa, ele está irônico, sutilmente irônico e nos avisa, nos alerta: Mas (conjunção adversativa) que ele também sabe ser careta. Assim, apesar de se ver e de se posicionar em lugar privilegiado, de dentro do qual, além de alertar, avisar, mostrar as coisas vistas na Bahia e em outros lugares, tais como os sentimentos e os amores perdidos, ele também discursa, alertando que de perto ninguém é normal. Nem ele.

Porém, assim como a vaca, elevando seus cornos, se torna sagrada e divina, e ele, inscrevendo suas palavras na voz daquela mulher que é a vaca e que é sagrada, o eu lírico também se eleva. Mas de uma posição superior e privilegiada, e só, e somente só, depois de dizer que ninguém é normal, o poeta diz também saber ser careta, ou seja, justificando-se, apesar de se elevar (ou também porque se eleva) ele se mostra, até ele, passível de anormalidade.

Aí, pra mudar de assunto e não falar muito, a vida, segundo ele, segue em linha reta, essa vida que é “meu bem, meu mal” – que é o título de outro poema do autor – para talvez dizer que a vida é assim mesmo, ou seja, é contraditória, é antitética e paradoxal, posto que seja bem e mal, normal e anormal.

E, para evitar um assunto pra lá de Marrakech, finaliza com um No mais, as ramblas do planeta. Ou seja, os caminhos do planeta, quaisquer que sejam, vão dar no mesmo lugar, porque o eu lírico flana, assim como João do Rio, e observa em São Paulo, Bahia, Belo Horizonte, Tel Aviv, Paris, Barcelona, Londres as mesmas coisas, os mesmos caretas, os mesmos amores perdidos (ou não) porque, por metonímia, se São Paulo é o mundo todo, todo o mundo são essas cidades também.

Augusto dos Anjos, quando aconselha: Toma um fósforo, acende teu cigarro, dizia irônico que não há nada o que fazer contra a falsidade, contra o beijo que é a véspera do escarro, acendendo assim seu cigarrinho para, então, concluindo em êxtase vitorioso, relaxar e contemplar a vida, impotente diante dela. Os caminhos do planeta, portanto, dão no mesmo lugar.

Aqui, finalizando no mesmo tom de ironia do poeta paraibano, o eu lírico pede, por favor, uma Orchata de Chufa, sinalizando, sugerindo em tom de grande descoberta - daí a ironia -, não haver nada que se possa fazer contra a caretice, contra a vida que é, a um tempo, bem e mal, degustando então de sua bebida espanhola. Assim, se a caretice é o que é, derramemos então chuva do mesmo bom – que sabemos que é bom – nas almas dos caretas para, quem sabe, possamos converter alguém da caretice, tirando-os da ignorância!

E então, finaliza, genial:

Ê!
Deusa de assombrosas tetas
Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas...

A última estrofe volta antitética ao começo do poema, chamando-a Deusa. Mas a vaca não era profana? Agora, finalizando tudo, ele se refere a ela como deusa? Então, a vaca é profana e é deusa, uma deusa profana porque, talvez ela, assim como o amor de Tel Aviv, esteja longe da cruz, longe da culpa ou também longe de rotulações clássicas, canônicas, do que é sagrado ou profano, amor ou amor intenso e do que é bom ou é ruim!

Talvez por isso seja ainda interessante observar os pares (deixados de fora da análise das estrofes acima), que são parte do refrão, e que vão, em progressão ou em gradação (desculpe-me pelo eco inevitável!), estrofe a estrofe, dando um sentido especial ao poema:

1. (segunda estrofe)
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas

Nessa estrofe, só no eu lírico o que é bom (na minha cara), para os caretas o que é mau. Tudo separado, como se o eu lírico, entendendo o que é bom, quisesse e deixasse apenas para ele o que tem valor e para os caretas, porque esses não entendem, ficasse aquilo que é mau, porque é o que lhes cabe. Assim, talvez, o eu lírico seguisse o bom, ou seja, a Movida Madrileña, e, por serem caretas, esses ficam de fora, sem segui-la, porque não querem e ou não entendem.

2. (terceira estrofe)
La leche buena toda en mi garganta
La mala leche para los "puretas"

Nessa, em espanhol, igual: só no eu lírico o que é bom (en mi garganta), para os caretas (puretas) o que é mau. Legal observar, também, que, em espanhol, La mala leche é uma expressão idiomática, que, como expressão idiomática é difícil de traduzir, quer (talvez) dizer mau humor ou má intenção. Derramar o mau humor sobre os caretas, o que, aliás, lhes seja peculiar.

3. (quarta estrofe)
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas


Meu verso favorito dessa canção é Teu bom só para o oco, minha falta e, que apesar disso, é o mais enigmático e de difícil entendimento para mim. Mas, o percebo assim: Teu é pronome possessivo de segunda pessoa, então o interlocutor do eu lírico é a vaca. O bom da vaca, que deve ser o leite bom, apenas para (preencher) o oco, o que então lhe preenche o vazio dele, ou seja, a sua falta ou que lhe falta é preenchido de coisa boa, suprindo-o.

Então, uma vez preenchido o vazio do eu lírico, porque ele fartou-se do que é bom, o que sobra do leite bom da vaca deve inundar a alma dos caretas (repare: inundar!), para que, pelo excesso do leite bom, também os caretas se preencham de coisa boa.


Internet
4. (quinta estrofe) 
Quero teu leite todo em minha alma
Nada de leite mau para os caretas


Nessa estrofe, todo o leite, bom ou mau, na alma do eu lírico. Para os caretas, nada do que é mau, ou seja, para os caretas o leite bom. Aquele leite que na estrofe anterior INUNDA as almas deles. A alma é algo mais profundo e complexo.

5. (sexta e última estrofe)

Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas


Nessa estrofe final, não mais todo o leite, apenas gotas de leite bom na cara dele. A cara é algo mais superficial. Para os caretas, agora e por fim, chuva do mesmo bom sobre eles. Ou seja, a inundação passou e a chuva, mesmo menor em intensidade, ainda encharca os caretas do que é bom e, de qualquer forma, ao eu lírico, dividindo o pouco que é para ele (apenas gotas), para que sempre sóbre mais para os caretas porque, de fato e de verdade, é para os caretas mesmo que precisamos, para abrir-lhe as mentes, mostrar e ceder o que é bom!

Ainda, e quase no fim, esse poema, como todo poema, pode ser lido de várias maneiras. Uma outra leitura possível pode ser feita com o entendimento do deboche porque, como numa resposta ao mundo das coisas sagradas, se tudo é sagrado, então ele (o poema) é profano sim. Para o eu lírico, ser profano é maior que ser sagrado porque pode estar levantando questões como: Quem e o quê é sagrado? Para quem o é? Pôr os cornos acima e pra fora da manada pode ser rebeldia de uma vaca (sagrada ou profana?) que se recusa a seguir a manada, que se recusa a seguir a marcha instituída das coisas do dia a dia e da vida como são.

Porém, para finalizar e, depois de tudo, o mais interessante é que, ao longo de todo o poema, apesar de ser intitulado Vaca Profana, a Vaca é sempre sagrada ou divina. Observe! ;-)

E, se segundo ele próprio, Caetano, a Vaca Profana é: "Na verdade também uma canção sobre Gal", será que a tal vaca profana, que é uma mulher sagrada, seria a própria Gal?


Caetano e Gal, 1968 - Internet
_ Referência bibliográfica:

.COSTA, Gal. Profana. Faixa n° 1. Rio de Janeiro: Sony Music, [1984] 2012.
.DICIONÁRIO DE SÍMBOLOS: Mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. 26ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.
.DICIONÁRIO HOUAISS DA LÍNGUA PORTUGUESA. Objetiva: Rio de Janeiro, 2001.
.DICIONÁRIO HOUAISS ILUSTRADO DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA. Instituto Antônio Houaiss/ Instituto Cultural Cravo Albin. CRAVO ALBIN, Ricardo (Supervisor). RJ: Paracatu, 2006.
.ENCICLOPÉDIA DA MÚSICA BRASILEIRA: POPULAR, ERUDITA E FOLCLÓRICA. 3a. ed. 1a. reimpressão. São Paulo: Art Editora, 2003.
.VELOSO, Caetano. A Poesia de Caetano Veloso: Letra Só e Sobre as Letras. Cia das Letras, 2003.
.VELOSO, Caetano. Faixa n° 1. Totalmente Demais. Universal Music, [1986], 2011. 


Fernando Medeiros é professor de Literatura. 

Prestou-nos gentilmente - em conversas agradáveis e intermináveis - "consultoria interpretativa" a professora de Literatura Poliana Faria.




52 comentários:

  1. Querido, muito obrigado pela leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei a análise incrível. Mas fico me perguntando se Caetano realmente pensou tudo isso ao escrever a canção. A coisa do leite bom e meu me lembrou a teoria de Melaine Klein do peito bom e do peito mau.Enfim, a canção realmente é enigmática e a análise está de parabéns. Em tempo, achei uma análise dessa letra no link que segue,muito forçada na minha opinião:https://apocalipsetotal.wordpress.com/2009/07/15/uma-analise-da-musica-vaca-profana-de-caetano-veloso/

      Excluir
  2. Eu que mto agradeço, Tiago, pela visita e comentário!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns. Vou compartilhar com meu filho. É a mais brilhante interpretação dessa música genial.

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente magnífico!
    Esse Fernando Medeiro!!!

    ResponderExcluir
  5. Muito prolixo nas explicações, tem coisas que são até um pouco óbvias. Poderia ser mais claro, direto e conciso, por exemplo tirando esse careta do "eu lírico".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O blog é meu! Então é do meu jeito! Acho que, por ser mto prolixo, vc acabou que não leu direito... Achou ruim? Faça melhor. De qualquer maneira, obg pela visita! Ah, sim, e se não é o "careta" do eu lírico, quem será? Só falta vc me dizer que é o "poeta". E, se disser, sei que não temos argumentos para começar um bate-papo! Obg mais uma vez!

      Excluir
    2. Ah, e se achar que é óbvio diga o que é!

      Excluir
    3. Tel aviv, perto do mar longe da Cruz me leva a Jesus,quando cita Gaudi e Picasso também me remete a esse pensamento...acho que fala da Deusa, talvez de Madalena como tal...uma música sim de protesto...e as três vezes q se refere ao leite ou palavra (voz) primeiro ele quer só p ele,depois o bom pra ele é por fim todos merecem recebe-lo!
      Desculpa aii meus devaneios, amo a música, aah e ele descreve a vaca como um ser divino como tbm uma mulher tão normal..
      Amei a análise e tbm concordo c ela...é q me senti a vontade p comentar o q acho tbm!
      Bjs

      Excluir
    4. Esteja sempre à vontade para comentar! Seja bem vinda!

      Excluir
  6. cara, vaca profana é a censura
    vaca profana põe teus cornos pra fora e acima da manada: a censura se impondo sobre o povão, sobre a musica que o povo podia ouvir
    a questão da mulher sagrada x vaca profana tb é sobre a censura que os militares usavam com a desculpa de que só faziam isso para impedir que o cidadão ouvisse baixarias, enfim, coisas "sujas" - os militares tinham muito isso de ensinar (e só permitir na musica e nas artes) a moral e os bons costumes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vaca Profana é um texto dos anos 80. Gal gravou em 84 e Caetano em 86. A Censura então já era "mais leve" e Ditadura Militar já tinha acabado em 85. Acho mto repetitivo e redutor tudo em Caetano e em Gil e em Chico ser a censura, ser a ditadura. Claro que muitas coisas neles são a censura porque, afinal, eles viveram isso de perto. Só quis levar a leitura e a interpretação para outros possíveis sentidos e outras possíveis paragens. Ou não! ;-)
      Obg pelo comentário!

      Excluir
    2. Acho que Vaca Profana se refere ao Brasil. Vaca de divinas tetas acho que simboliza a elite usurpando a riqueza dá nossa pátria, pois o Brasil é um país em que todo mundo bmana nas tetas do Estado. Mas na ditadura ele não poderia dizer isto textualmente.

      Excluir
  7. Viva!!! também já tive muitas discussões mentais com essa letra. Eu navegava num mar bem escuro. obrigado!

    ResponderExcluir
  8. Muito boa analise, esta de parabéns !

    ResponderExcluir
  9. La mala leche também corresponde a uma expressão que significa o sêmen...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa eu nunca vi em minhas pesquisas... Qual sua fonte?

      Excluir
  10. Muito bom o texto, trouxe interpretações que não haviam passado pela minha cabeça. Pra mim, o Caetano questiona a submissão machista que a mulher (talvez a própria Gal) tem em seu corpo e em sua conduta. Vejo isso nessas reflexões sobre "Profano e Sagrado" onde o corpo e o sexo estão dentro das questões profanas e a mãe e a reprodução, são em certa medidas sagradas, dão a vida e alimentam o ser humano.
    No trecho onde a Vaca Profana levanta seus cornos acima da manada, para mim seria um chamado ou uma provocação às mulheres que não se submetem as condutas (na maioria de origem religiosa) sobre seu próprio corpo e sua sexualidade (a questão do leite pode levar a conotações sexuais ou libidinosas também, assim como a amamentação, como trata Freud, por exemplo).
    Enfim, estou trazendo os pensamentos que passam pela minha cabeça quando ouço a música, e como o legal é a ambiguidade de suas interpretações, as suas colocações também me fizeram (re)pensar nela de forma diferente. Obrigado pelo post !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que o próprio termo "Vaca" esteja dentro dessa lógica do machismo em relação à sexualidade da mulher, visto que no Brasil o termo "Vaca" usado em relação a mulher é pejorativo e faz alusão à sua conduta sexual em relação aos outros homens. Acho que nesse sentido "Vaca Profana" faz uma provocação em relação ao próprio uso que a palavra Vaca tem no Brasil, visto que é algo sagrado em outras culturas.

      Excluir
    2. Seja bem-vindo! Obg pelo comentário!

      Excluir
  11. Achei muito bom o texto, mas realmente faltou certa objetividade. Há muita repetição de palavras, o que deixa a leitura um pouco tediosa.
    Tem uma parte em que você diz que o eu lírico se põe em tom de superioridade e que somente após dizer que ninguém é normal, ele diz também saber ser careta. Mas está errado, pois ele diz também saber ser careta e que de perto ninguém é normal, talvez justificando sua "caretice".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sempre achei, ao escutar a música, que ele não relacionava a vaca profana a divindade. A vaca é profana da primeira a penúltima estrofe, mas essa tal vaca profana é DONA de divinas tetas, que é de onde sai o leite.

      Excluir
    2. Uai, Vc não precisa estar aqui... Escreva o seu de maneira certa então!

      Excluir
  12. Fernando, adorei sua construção! Acho que é bem por aí mesmo. Minha reflexão é muito parecida com a sua! Devo, portanto, adicionar o meu pensamento sobre relacionar as cidades que Caetano traz na música com suas viagens para lá.
    Primeiro, Tel Aviv. Israel é um país em que ele fez muito sucesso, principalmente no início dos anos 80. Fez um show lá em 1983 e ficou completamente encantado. Sentiu-se em casa e, ao mesmo tempo, tomado pela História tão diferente, antiga e nova daquele lugar. Acho que o "perto do mar" vem bem disso. Familiar nesse sentido. Baiana como ele, posso dizer que qualquer pessoa do Recôncavo Baiano tem essa conexão com o mar. Não só Bethania, como vc trouxe. Quando fala "quero que pinte amor Bethania", sempre a vi como adjetivo aqui. O "pintar" é que era interessante. Como o cubismo, que consegue mostrar diferentes lados em um mesmo plano. Algo complexo como um "amor Bethania" teria que ser pintado assim.

    Sobre New York e Paris, ele falou muito de uma posição estranha que sentiu nesses lugares. Em New York, ele cantou no Central Park contra a guerra no Vietnã. Aquele "paz e amor" no meio de uma cidade símbolo do capitalismo, que não soube evoluir. Por outro lado, talvez ele esteja falando de 1983, ano em que teve aquela polêmica da entrevista com Mick Jagger em Nova York, mesmo ano em que fez show no Olympia em Paris e tbm em Tel Aviv. Tudo isso um ano antes do lançamento desta música.
    Tbm quero lhe dizer que foi muito linda a sua interpretação sobre o "Bahia onipresentemente". Vejo Caetano nas suas palavras.

    Linda a escolha das fotos!

    Abraço!!

    ResponderExcluir
  13. Minha cara Vanessa!
    Mto, mto obg!
    Não tinha pensado sobre o "pintar", como pintar algo cubista - e adorei essa leitura! Assim como não sabia sobre o sentimento dele com relação a Israel e Tel Aviv! Mto obg pela colaboração!
    Qto à Paris e à NY, de fato, ele fala mto sobre esse estranhamento e sobre a entrevista, sobre a qual houve os infelizes comentários do Paulo Francis. E é mto certeiro de sua parte acrescentar esses dados aqui! Mto obg mais uma vez.
    Mas de tudo, ver Caetano nas minhas palavras é e foi o meu maior e melhor presente em 2015!
    Obg!

    ResponderExcluir
  14. Fiz uma busca no google esperando encontrar uma interpretação nessa linha de raciocínio, mas confesso que não esperava tanto. Definitivamente você não é um careta! Obrigado por encaixar os fragmentos do que eu imaginava quando ouvia essa canção.

    ResponderExcluir
  15. Adorei!! Embora diga que é uma análise pessoal, ajuda-nos a clarear a interpretação... mesmo que a beleza não precise de explicação, de entendimento... adorei!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Maria, reflexões pessoais... Sabe aquelas viagens que a gene tem qdo coloca o disco pra tocar? É isso! Mto obg pela visita! Volte sempre!

      Excluir
  16. GAL não é apenas a maior e melhor intérprete de Caetano, mas, também, uma das mais profícuas fontes de inspiração do santamarense. Seria desproporcional afirmar que não haveria Caetano Veloso se não houvesse Gal Costa, embora o próprio compositor nos leve a subentender assim no encarte do disco Recanto (dela), lançado em 2011, com composições dele. Pois certamente não haveria canções como essa no universo da MPB e como as daquele disco, "feitas especialmente para a voz de Gal!". Assim, declara Veloso no encarte em que afirma, também, que "Gal é a mulher sagrada de Vaca Profana", canção que teve sua veiculação pública vetada pela censura militar, embora no ano de lançamento do GAL PROFANA, 1984, o regime militar já estivesse agonizando.
    Parabéns pela análise, pois superou minhas expectativas.

    ResponderExcluir
  17. Muito legal seu blog Fernando. E vemos q tem interpretações de todos os gostos aqui. Um achava que era ditadura. Outro moralizando a letra. Olha eu acho que o Caetano quis enaltecer o lado animal da mulher, sua sexualidade, que e sempre reprimida no mundo machista. Assim a mulher deve por seus cornos acima da manada , que e aparecer, se expressar como animal mulher, valorizando sua liberdade do eu feminino. O que VC acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luis. Sim, concordo com vc. É mais uma possível análise. Ele que é leitor de Simone de Beauvoir e fala mto sobre as mulheres de sua casa e de sua família, falaria tb sobre sobre o enaltecimento delas. Obg pela visita, venha sempre!

      Excluir
  18. Interpretação espetacular! Obrigado por disponibiliza-la!

    ResponderExcluir
  19. "vaca profana" é o simbolo anarquista espanhol

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Amei a tua interpretação. Acabei aqui pois estou prestes a tatuar no meu braço a frase "respeito muito minhas lágrimas mas ainda mais minha risada" que é faz muito sentido na minha vida também. Parabéns, tua escrita e raciocínio são geniais.

    ResponderExcluir
  22. Creio que essa interpretacao seria melhor se o autor conhecesse (por dentro, e nao por livros) a cultura e a lingua espanhola. De fato, mala leche significa varias coisas, dentre elas esperma, pessoas mal humoradas etc.
    E outros elementos chamam icones da cultura espanhola pouco conhecida do exterior (vaca profana).

    Enfim, obviamente, pelo meu portugues se percebe que eu nao sou lusofono, conheco infinitamente melhor a Espanha que o Brasil. Entao sobre o resto da interpretacao, nao tenho muito a dizer.

    ResponderExcluir